Divã da Rosa Rubra: o Elo entre os Arquétipos

Compartilhe com muito Amor ...Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on TumblrEmail this to someoneShare on Yummly

Para nós mulheres que entramos em contato com os saberes ancestrais, conhecemos bem quais as representações sagradas da Deusa: Jovem, Mãe e Anciã e por último atualmente a Guerreira.

No entanto observamos esses símbolos de forma isolada e fechada, mas na Natureza absolutamente nada acontece de forma isolada, toda ação desencadeia outra mesmo que a mais sútil e a psique humana não tem diferenças, para podermos entender esta dinâmica fluida escolhi a Sábia como exemplo inicialmente.

Aquela que detém Sabedoria, que reconhece o trilhar da sua Jornada interna e externa, onde o estado meditativo se mantém uma constante, a calma e a Paciência são palavras de ordem, assim como a Prudência e o Silêncio, assim podemos ver uma Anciã Sábia… Ao passo que ela se comunica com a Jovem no poder de ver o Novo mesmo em antigos trilhares…

Quando saio do estado meditativo para ver o que tem no mundo lá fora sem me esquecer do aprendido…

É poder pulsar minha vibração no mundo sem esquecer do meu auto cuidado (Prudência).

A Mãe gera e cuida desses aspectos, onde também podemos compreender que a Anciã gesta e cuida dos ensinamentos para poder expor ao mundo Ideias e Valores dos quais sustenta…

Está tudo conectado, quando a  Jovem pulsa certamente depende da Paciência da Anciã e do gestar da Mãe, para expressar a sua Guerreira.

Andressa Ferreira Thome  – Guhya Kali Thea

#Alcathea #circulodemulheres #despertarfeminino #autoconhecimento #valores #sagrado #divadarosarubra #caminhosdosagrado #theaterapia

Compartilhe com muito Amor ...Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on TumblrEmail this to someoneShare on Yummly